Alimentação Saúdavel – Qualidade de Vida e Bem-estar

Alimentação Saúdavel – Qualidade de Vida e Bem-estar

Alimentação Saúdavel – Qualidade de Vida e Bem-estar

Cada pessoa responde aos alimentos de uma maneira diferente e nem sempre o que está na moda nos faz bem. A nutricionista Flávia Morais esclarece que não são só os celíacos que devem ficar atentos aos efeitos do glúten no organismo

Tão comum no nosso dia-a-dia, o glúten está presente à nossa mesa, e é algo tão natural, que só lembramos que estamos consumindo ao ler ‘contém glúten’ na embalagem. Está presente em pães, bolos, biscoitos e em quase todos os produtos industrializados. O glúten é uma proteína presente no trigo, aveia, cevada, centeio e malte, e têm sido fonte de muita polêmica e discussão. Mas afinal de contas, o glúten deve ou não fazer parte de nossa dieta?

Existem dois casos em que o glúten não deve ser ingerido, pessoas portadoras da doença celíaca e aquelas que têm hipersensibilidade ao glúten. Os celíacos são pessoas que possuem intolerância permanente ao glúten, e que não podem ingeri-lo de forma alguma. A doença não tem cura, mas retirando esta proteína da dieta a pessoa consegue levar uma vida saudável e normal. No caso da hipersensibilidade, a pessoa sente alguns desconfortos, mas como essa alergia é mais leve, ela não será diagnosticada como celíaca.

A nutricionista Flávia Morais, da rede Mundo Verde, especializada em produtos naturais, orgânicos e para bem-estar, explica que existem diversas pesquisas que sugerem que a ingestão de glúten por pessoas hipersensíveis afeta a função normal do cérebro e pode causar sintomas imunológicos e intestinais. Os sintomas mais comuns relacionados ao glúten são constipação intestinal, rinite, asma, artrite, prurido, dermatite e acne, além de alterações de humor, ansiedade, depressão e síndrome do pânico.

“Quando não são imediatos, os sintomas podem se manifestar até quatro dias depois da ingestão do alimento, e muitas vezes de maneira crônica. Por isso torna-se difícil para a maioria das pessoas relacionar qual alimento ocasionou o sintoma. Daí a necessidade de observar permanentemente e, se possível, anotar em um papel como o corpo responde após a ingestão dos alimentos”, alerta a nutricionista.

No caso do glúten, um grande número de pessoas observa que os sintomas são atenuados e até desaparecem com a retirada do alimento alergênico. Por isso, a dieta é sugerida para verificar se a exclusão do glúten proporciona melhoria nos sinais e sintomas apresentados.

É o caso da aposentada Sônia Regina, 58 anos, que cortou o glúten de sua dieta há seis meses. Ela não é celíaca, mas sentia alguns desconfortos e foi orientada por sua nutricionista a fazer o teste da dieta sem glúten para ver se conseguia melhora nos sintomas. “Eu sentia um desconforto intestinal muito grande, e fiz o teste da dieta sem glúten durante um mês. Mesmo com pouco tempo, a melhora já foi significativa, então resolvi segui-la e hoje posso dizer que obtive uma melhora de 70%”, atesta Sônia Regina.

Para pessoas que apresentam problemas crônicos de constipação, flatulência, artrite, coceiras pelo corpo, enxaquecas, alterações de humor e ansiedade e que ingerem glúten com freqüência, a sugestão é restringir o consumo desses alimentos para observar se há melhora dos sintomas. “É preciso lembrar que o glúten não é um nutriente essencial para a saúde e a sua retirada da dieta não causa prejuízos”, afirma Flávia.

Dicas para uma Dieta Sem Glúten

A nutricionista Flávia Morais elaborou algumas dicas para as pessoas que querem descobrir se têm hipersensibilidade ao glúten. Lembrando que, antes de tomar qualquer decisão, é sempre importante consultar um profissional de nutrição para que não haja prejuízos à saúde.

  • A restrição ao glúten deve ser feita pelo período de duas semanas a 40 dias. Nesta fase, não se deve ingerir qualquer alimento que contenha a proteína em sua formulação. Portanto, a leitura do rótulo é fundamental para identificar a ausência de glúten nos produtos.
  • Após o período de exclusão, o glúten deve ser reintroduzido na dieta, em três refeições, num mesmo dia. Depois, volta-se a excluir o glúten da dieta e se observa se nos quatro dias seguintes os sintomas indesejados se manifestam novamente. Se for identificada a melhora nos sintomas, a sugestão é persistir na dieta sem glúten;
  • Durante o período de exclusão, trigo, aveia, centeio e cevada podem ser substituídos por arroz integral, trigo sarraceno, quinua, soja, milho, tapioca, e tubérculos como a batata, mandioca e inhame.
  • Frutas, de todos os tipos, não contêm glúten e são ótimas opções para lanches no meio da manhã e tarde.

Lembre-se: esta não é uma dieta com a finalidade de perda de peso, mas isso pode acontecer devido ao melhor funcionamento do corpo sem a exposição ao alérgeno.* É importante ainda manter bons hábitos: escolher lugares calmos para realizar as refeições; mastigar bem os alimentos; evitar a ingestão de líquido durante as refeições para não prejudicar o processo de digestão e diminuir o consumo de alimentos refinados e industrializados.

Também é recomendável aumentar o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos; incluir no cardápio óleos vegetais como óleos de linhaça e de gergelim e azeite de oliva extra virgem, além de oleaginosas como castanha do Brasil, amêndoas, sementes de abóbora, linhaça e girassol.

Saiba mais sobre a doença celíaca

Nos Estados Unidos e na Europa estima-se que uma em cada 200 pessoas tem a doença celíaca. No Brasil, a estimativa é de uma em cada 600 pessoas enfrentem problemas de saúde por não poderem ingerir esta proteína. Mas nos últimos anos, com o surgimento de novos produtos no mercado de alimentação, os celíacos passaram a ter motivos para sentar-se à mesa sem sofrer riscos e já podem celebrar datas especiais sem culpa.

Os celíacos podem consumir os produtos à base de arroz, milho, mandioca, polvilho, batata, quinua, farinha de banana e soja. Produtos que naturalmente são isentos de glúten, como barras de arroz com açúcar, pipoca de milho de canjica, frutas desidratadas, frutas oleaginosas, arroz integral, milho, soja e derivados, leguminosas (feijões, ervilha, lentilha), frutas e hortaliças também são ideais para quem possui a doença. “O celíaco vive com qualidade de vida e não manifesta os sintomas da doença desde que cumpra a dieta”, ressalta a nutricionista Flávia Morais.

Segundo ela, os portadores da doença devem estar sempre atentos aos rótulos, embalagens e bulas, que nem sempre contêm a composição correta ou bem clara dos ingredientes. “Se, entre os ingredientes houver trigo, aveia, centeio e cevada, mesmo que não esteja escrita no rótulo a expressão ‘Contém Glúten’, o alimento não deve ser consumido por quem possui intolerância ao glúten pois estes ingredientes contêm a proteína”, destaca a nutricionista.

O que é? – A doença celíaca não é uma alergia, mas sim uma doença auto-imune caracterizada por lesão da mucosa do intestino.

O que causa? – O fator desencadeante da doença celíaca é o glúten, que dá elasticidade e ajuda as massas a crescer. Portadores da doença celíaca não conseguem digerir o glúten e por isso ele deve ser excluído da dieta dessas pessoas.

Como se manifesta? – A doença geralmente se manifesta na infância, entre o primeiro e terceiro ano de vida, podendo, entretanto, surgir em qualquer idade, inclusive na adulta.

Quais os sintomas? – Os sintomas incluem diarréia crônica ou prisão de ventre, flatulência, pouco ganho de peso e erupções na pele. Pode também se manifestar de forma atípica, principalmente em adultos, através de fadiga excessiva, irritabilidade, anemia resistente ao tratamento, infertilidade e osteoporose.

Como identificar? – Para diagnóstico da doença celíaca é necessário exames e biopsia do intestino delgado.

Como tratar? – O tratamento é seguir uma dieta rigorosa, sob orientação de nutricionista e/ou médico, que exclua do cardápio todos os alimentos e preparações que contenham glúten. A remoção do glúten da dieta resulta na regeneração do intestino, além de acabar com os sintomas na maioria dos pacientes.

Quais os cuidados especiais? – Retirar o glúten da dieta requer leitura cuidadosa das informações contidas nos rótulos das embalagens dos alimentos. A Lei nº 10.674, de 16 de maio de 2003 obriga que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle da doença celíaca.

Quais são as opções de alimentos? – Como alternativa, o celíaco usa arroz, milho, mandioca, polvilho, batata, quinua, farinha de banana e soja.

Os Suplementos Paks São Efetivos?

Os Suplementos Paks São Efetivos?

Os Suplementos Paks São Efetivos?

Os padrões de beleza para homens e mulheres mudam o tempo todo, mas algo que sempre está em alta é a busca pelo desenvolvimento de massa muscular. Isso ocorre porque, além de estética, é também uma questão de saúde e qualidade de vida.

Primeiramente, à medida que o excesso de gordura localizada diminui, a propensão ao desenvolvimento de algumas doenças cai também, como a diabetes, o colesterol alto e a hipertensão.

Além disso, os exercícios realizados para a obtenção de massa magra promovem o fortalecimento dos músculos do corpo, maior disposição e disciplina, além da liberação de hormônios como a endorfina, responsável pela sensação de satisfação e bem-estar.

Logicamente, para ganhar massa muscular, além de investir pesado nas atividades físicas, também é preciso seguir uma alimentação balanceada, fazendo seis refeições ao dia, com muitas calorias (para que sejam queimadas durante os treinos), carboidratos, proteínas e vitaminas e alguns suplementos se você treinar pesado. O mais vendido atualmente é o Liponow e o emagrecedor alfacaps.

A receita para ganhar massa muscular é a combinação dos exercícios de musculação com a dieta balanceada, e é claro, uma boa dose de persistência! Os resultados podem levar algum tempo para começarem a surgir, mas o mais importante é manter a rotina saudável e ser muito paciente.

Os frequentadores de academias de musculação costumam fazer uso dos suplementos. Eles geralmente são compostos por boas doses de proteínas que ajudam a desenvolver os músculos, além disso, fornecem energia para que o indivíduo se sinta mais disposto podendo aproveitar melhor as potencialidades de cada exercício que fizer.

É importante ter a orientação de algum profissional da área de educação física ou de nutrição, para saber a quantidade e os horários certos para tomar o suplemento, visto que cada um deles possui suas características próprias.

Se você vai para a academia de musculação, pode ser que já tenha ouvido falar dos Packs, mas sabe exatamente como funcionam? Os Packs são diferentes de outros tipos de suplemento muscular, eles são pequenas embalagens em que se encontram comprimidos, cápsulas e outros formatos ricos em substâncias como proteínas, vitaminas aminoácidos. Embora a composição possa variar de acordo com o fabricante, o conceito é combinar as substâncias de vários suplementos em uma única unidade.

Os Packs são intensamente utilizados pelas pessoas que querem de todo modo aproveitar melhor aquilo que fazem na academia, no entanto, a pergunta que fica no ar é a seguinte: será que vale mesmo a pena fazer uso dos Packs?

Sem dúvida, eles trazem muitos nutrientes que são necessários para quem pratica os exercícios de musculação, mas acabam trazendo também outros elementos que não são necessários, pois você já consegue suprir com a dieta.

Além disso, cada organismo tem necessidades diferentes, de acordo com o peso, altura e gênero, diferenças que os Packs não levam em consideração, pois são produzidos igualmente e disponibilizados para quem quiser.

Isso significa que existem os prós e os contras de utilizar um suplemento para ganhar massa que misture tantas substâncias, por isso, não deixe de visitar um profissional especializado para lhe orientar melhor.

Entrevista com a nutricionista Vivian Bausas Parte #1Vivian Bausas

Entrevista com a nutricionista Vivian Bausas Parte #1Vivian Bausas

Entrevista com a nutricionista Vivian Bausas Parte #1Vivian Bausas

Nós do saúde à mesa fizemos uma entrevista com a nutricionista Vivian Bausas. A entrevista está dividida em três partes que serão postadas semanalmente em nosso blog.

Para começar nossa entrevista vamos saber um pouco sobre a sua vida profissional:SM- Há quanto tempo você trabalha na área de nutrição?

VB: Há 12 anos

SM-  Qual sua especialidade?

VB: Sou especializada em vigilância sanitária de alimentos com ênfase no controle de qualidade.

SM- O que fez você se interessar por essa área?

VB: Eu sempre gostei da área da saúde, eu acho uma área muito interessante e quando eu fui prestar o vestibular eu me interessei muito pela grade curricular da nutrição e você percebe a importância da nutrição hoje, a alimentação, criança, idoso e eu queria trabalhar com essa área de proporcionar algum produto de qualidade para as pessoas.

SM- Qual sua área de atuação dentro da nutrição hoje? Fale um pouco sobre o seu trabalho.

VB: Eu já passei por diversas áreas na nutrição clínica, mas hoje o meu trabalho é controle de qualidade, então faço consultoria em restaurantes, pizzarias, padarias e eu trabalho em toda parte de controle de qualidade, eu praticamente  aplico a legislação, o que a legislação pede eu aplico dentro da cozinha, eu tento adequar o máximo possível o ambiente ao que a legislação está pedindo, treinamento de funcionário, desde ensinar o funcionário a lavar as mãos como tem que ser até fazer ele entender o porque de ter o cuidado com bactérias, para não ter crescimento, toda essa parte de higiene e controle de qualidade é a minha parte.

SM- Para você qual a importância de um nutricionista?

VB: Muita.Quando eu cheguei aqui no restaurante o pessoal dizia “eu faço isso há 20 anos e nunca ninguém reclamou, nunca ninguém morreu”, mas é porque a pessoa não volta, a maioria das vezes as pessoas não voltam para reclamar, o porque passaram mal e nem sabem o porque passaram mal, então as vezes o comércio ele tem uma visão muito caseira de como cuidar do ambiente, de como fazer um alimento, mas a realidade do comércio é completamente diferente da doméstica, então a nutricionista é muito importante para orientar, para abrir novos horizontes dentro da cozinha para abrir a mente do pessoal, mais tudo isso com muito cuidado, muita técnica, porque não dá pra você chegar assim de uma vez e falar, olha não faz mais isso, faz isso, porque é bem difícil, eles não aceitam.

Higienização

Agora vamos falar um pouco sobre a higienização dos alimentos, a parte de higienização foi divida em duas partes está semana vamos colocar a primeira parte e na próxima semana colocamos a continuação da entrevista.

Higienização dos alimentos por Vivian Bausas

Nesta entrevista falaremos sobre a importância de higienizarmos os alimentos, quais são os cuidados que devemos ter antes de consumir os alimentos que compramos.

SM: Qual a importância da higienização dos alimentos?

VB: Temos que tomar muito cuidado com higienização dos alimentos, até mesmo os orgânicos, alimentos que já vem higienizados  como frutas, legumes e verduras, temos que tomar muito cuidado com isso, prestar bastante atenção, porque quando chega na mesa do cliente para ele não interessa nada, não interessa de onde você compra, se você paga caro, não interessa nada, o que interessa é que ele está pagando e que ele não quer ter problema na hora de comer.

Nós conseguimos fazer com que alguns fornecedores do CEASA mudassem o esquema deles de entrega, porque antes eles entregavam os alimentos em caixas de madeira, mesmo tendo exigências de usar as caixas de plástico muitas vezes eles não usavam, mas nós conseguimos concientizar esses fornecedores de usar a caixa plástica, explicar o porque, mostrar para eles o que é que acontece quando vem caixa de madeira dentro de um restaurante. Muitas vezes nas caixas vem insetos como aranha, barata e até cobras.

SM- Quais cuidados devemos ter na hora de escolher os alimentos?

VB: Devemos ver como o alimento está, na questão dos higienizados ver direitinho, olhar folha por folha das verduras e os legumes, se possível passar uma água antes. Verificar a data de validade, refrigeração, forma de armazenamento, todas essas pequenas coisinhas que as pessoas não notam muito.

Esses dias eu estava em um supermercado e vi uma mulher, ela estava com uma senhora que estava olhando a data de validade do produto e a mulher perguntou pra ela, será que todo mundo faz isso que você faz? Você demora pra comprar vendo a data de validade e isso é uma coisa importante. As vezes você vai em um supermercado pegar um alimento que está na promoção, quando você vai olhar a data de validade faltam 2, 3 dias.

As vezes nem está na validade, já tiveram vários casos também de ás vezes você ir ao supermercado e acontecer isso, então são pequenos cuidados que eu acho que hoje em dia são muito importantes. Os programas de tv, a mídia, os próprios supermercados estão alertando os consumidores. Tem uma rede de supermercados na região de Moema que quando você entra tem uma placa bem grandona dizendo: “ Nós cuidamos da qualidade dos nossos produtos, observe você também a validade dos produtos”, eu achei isso bem bacana, está incentivando o consumidor a prestar atenção naquilo que ele está comprando, não só no preço.

SM- Quais os cuidados devemos ter na hora de armazenar os alimentos?

VB: No comércio devemos verificar os equipamentos de refrigeração que é uma coisa super importante dentro de uma cozinha, ás vezes os proprietários não querem investir e dizem “é custo”, tudo é custo e sai caro, mas equipamento de refrigeração é muito importante, então você tem que sempre estar olhando temperatura, ver se ele está na temperatura de acordo. Quando o alimento chegar, já confere. Ele não pode ficar muito tempo em temperatura ambiente. Armazene ele em geladeira ou freezer ou uma câmara refrigerada.

Alimentos que são armazenados em temperatura ambiente tem que ver se o estoque que você vai armazenar ou em casa se não há nenhum tipo de vazamento, se nas paredes não tem manchas de bolor, deixar um determinado espaço acima do chão, não deixar perto de produtos de limpeza, ás vezes o pessoal não tem como armazenar, isso eu digo em questão de restaurante não tem espaço para armazenar e mistura tudo, mistura produto de limpeza, sabão em pó, álcool com comida e uma pega o sabor do outro, então essas coisas precisa tomar cuidado.

SM- Como devemos manipular os alimentos na hora de consumi-los?

VB: Antes de tudo lavar as mãos, que é uma coisa que muita gente não faz, a maioria das pessoas chegam da rua e vão direto mexer no alimento. Primeiro devemos lavar as mãos, higienizar antes o alimento, se não estiver higienizado como frutas, legumes e verduras, isso se for consumir cru, colocar o hipoclorito que vende no supermercado, seguir de acordo com o que fala no frasco ou então usar água sanitária, mas água sanitária própria para consumo no alimento que já vem escrito na embalagem que pode usar para higienizar.

Sempre cozinhar muito bem, ou ferver muito bem o alimento, evitar ao máximo possível consumir mal passado ou quase cru, se for consumir cru, por exemplo um peixe, ver a procedência desse peixe, se ele foi armazenado corretamente, em uma temperatura correta, de onde ele veio.

Sempre quando eu saio, se eu for comer carne ela tem que ser muito bem passada, quase torrada e o pessoal sempre fala você perde todo o sabor da carne, para mim não importa, eu prefiro comer ela daquele jeito torrada do que você comer uma carne mal passada que você não sabe a procedência, nem como a pessoa manipulou e acaba passando mal, porque ás vezes as pessoas terminam de comer e duas horas depois surge uma dor de cabeça, fica indisposto e nem sabe que aquilo pode ter sido o próprio alimento que pode ter causado essa dor de cabeça, então são pequenas coisas que nós temos que prestar atenção.

Continua…..

5 razões pra você não estar construindo Massa Muscular

5 razões pra você não estar construindo Massa Muscular

5 razões pra você não estar construindo Massa Muscular

Se você faz parte daquele gigantesco universo composto por milhões de pessoas, que passam horas em atividades físicas durante a semana com o objetivo declarado de ganhar massa muscular e não sabe exatamente o que está acontecendo para não obter o resultado desejado, esse artigo irá te ajudar a esclarecer muitas dúvidas sobre o caso.

Em primeiro lugar, é importante saber que você não está sozinho nessa jornada, e não é a única pessoa do mundo que passa por esse problema. Se você precisa de orientações sobre o tipo de alimento para ganhar massa muscular, dieta para ganhar massa, suplementos musculares e outras coisas do mesmo tipo, basta entender de que forma esse problema pode ser resolvido. Para aliviar logo de cara, não é um bicho de sete cabeças ganhar massa muscular.

Vamos às dicas:

1- Pare de perder massa muscular

Em primeiro lugar, é preciso dizer que para ganhar massa muscular você precisa parar de perder massa muscular. Para isso, basta tomar algumas atitudes simples e que, muitas vezes, não são levadas muito a sério pela grande maioria das pessoas.

Para parar de perder massa muscular é essencial comer pequenas porções de alimentos de três em três horas, para manter seu metabolismo sempre ativo. Se você não fizer isso, você perderá massa muscular, mesmo se estiver fazendo as outras orientações de dieta para ganhar massa muscular e para treinos de musculação.

2- Alimentação correta

Outro fator fundamental sobre como ganhar massa muscular é manter a alimentação muito bem regrada e ordenada para esse objetivo. Por isso, é preciso comer os alimentos certos na hora certa.

Sua alimentação básica deve ser formada por frutas, verduras, legumes, alimentos termogênicos, proteínas, pouco açúcar e quase nada de gordura.

3- Dúvida frequente

Mas existem outros detalhes que vão te ajudar a ganhar massa muscular. Uma das grandes dúvidas é a seguinte: o que comer antes e após o treino? Carboidrato ou proteína? Vamos para a resposta.

Antes do treino você não deve comer proteína, e sim carboidratos, preferivelmente os integrais. Durante o treino é importante manter a recarga de açúcar, que pode ser feita com sucos de fruta. É simples: basta espremer três laranjas, colocar na garrafinha e levar para o treino.

Após o treino, você pode fazer uma alimentação combinada de carboidratos integrais, verduras e proteínas. Que tal um lanche com pão integral, alface e queijo branco, por exemplo?

Além disso, existem algumas fontes de proteínas ótimas para te ajudar no ganho de massa muscular. Podemos destacar a clara de ovo. Você pode ingerir duas claras de ovo todos os dias após o treino ou uma hora antes de dormir. A clara do ovo deve ser sempre cozida.

4 – Uso de suplementos alimentares

O uso de suplementos alimentares é, muitas vezes, essencial para ganhar massa muscular, temos diversos suplementos que ajudam a ganhar massa muscular ou perder peso como por exemplo o Liponow.

Este ultimo ajuda mais a emagrecer, mas também temos suplementos auxiliam a agahar massa muscular como por exemplo o Hipercoll. Além da dieta balanceada e hiperproteica, é conveniente, com orientação profissional, usar um suplemento de proteínas para ganhar massa muscular.

5 – Treinos corretos e com frequência

Tem que levar seu treino de musculação muito a sério. Se você é daqueles que faltam muito ou que não mudam de série, fazem o treino de forma ‘mais ou menos’, o seu resultado também será ‘mais ou menos’.